Скачать презентацию Aula 3 Norma NBR ISO 9000 Ghislaine Скачать презентацию Aula 3 Norma NBR ISO 9000 Ghislaine

70908f67de4903fbe42a9bb06985ab5c.ppt

  • Количество слайдов: 49

Aula 3 : Norma NBR ISO 9000 Ghislaine Miranda Bonduelle Aula 3 : Norma NBR ISO 9000 Ghislaine Miranda Bonduelle

CERTIFICAÇÃO CERFLOR Unidades de negocio Fonte: www. inmetro. gov. br 10 Area de atuação CERTIFICAÇÃO CERFLOR Unidades de negocio Fonte: www. inmetro. gov. br 10 Area de atuação Florestas Data nov/07 69 Florestas (mad. e não mad) 198 Sub-produtos 187 Cadeia de custódia 454 FSC Fonte: www. fsc. org nov/07 ISO 9000 63 Madeira. e sub-produtos 58 Sub produtos papel 121 Fonte: CB 25 out/07

QUALIDADE Grau no qual um conjunto de características inerentes atende a requisitos NBR ISO QUALIDADE Grau no qual um conjunto de características inerentes atende a requisitos NBR ISO 9000: 2000

GARANTIA DA QUALIDADE n Parte da gestão da qualidade. Focada em prover confiança de GARANTIA DA QUALIDADE n Parte da gestão da qualidade. Focada em prover confiança de que os requisitos da qualidade serão atingidos. n NBR ISO 9000: 2000

OUTRAS DEFINIÇÕES REQUISITO: Necessidade ou expectativa que é expressa, geralmente, de forma implícita ou OUTRAS DEFINIÇÕES REQUISITO: Necessidade ou expectativa que é expressa, geralmente, de forma implícita ou obrigatória. n CONFORMIDADE: Atendimento a um requisito n EVIDÊNCIA OBJETIVA: Dados que apoiam a existência ou veracidade de alguma coisa n

8 PRINCÍPIOS DE GESTÃO n n n n 1. Organização focada no cliente 2. 8 PRINCÍPIOS DE GESTÃO n n n n 1. Organização focada no cliente 2. Liderança 3. Envolvimento das pessoas 4. Abordagem de processo 5. Abordagem sistêmica de gestão 6. Melhoria contínua 7. Abordagem factual para tomada de decisão 8. Benefícios mútuos nas relações com os fornecedores

NORMALIZAÇÃO DA QUALIDADE ISO IEC Internacional Normas Regionais MERCOSUL CEN COPANT Normas Nacionais Regional NORMALIZAÇÃO DA QUALIDADE ISO IEC Internacional Normas Regionais MERCOSUL CEN COPANT Normas Nacionais Regional Nacional ABNT, BSI, AFNOR, DIN, JISE Normas internas das empresas Empresas

CERTIFICAÇÃO DA QUALIDADE n Depois da II Guerra Mundial n n MIL-Q-9858 : Sistema CERTIFICAÇÃO DA QUALIDADE n Depois da II Guerra Mundial n n MIL-Q-9858 : Sistema de especificação da qualidade MIL-I 45208: Exigência do sistema de inspeção. 1979 : BS 5750 n n 1987: 1ª. edição 1994: 2ª. edição 2000: 3ª. edição 2008: 4ª. edição

CERTIFICAÇÃO ISO 9000 n ISO : Organização Internacional de Normalização Comitês técnicos ISO/TC 176 CERTIFICAÇÃO ISO 9000 n ISO : Organização Internacional de Normalização Comitês técnicos ISO/TC 176 GESTÃO E GARANTIA DA QUALIDADE (ISO 9000: 2000)

ACREDITADORES INMETRO UKAS ANSI-RAB CREDENCIAMENTO CERTIFICADORES FCAV BVQI CERTIFICAÇÃO ABS TERCEIRA PARTE INTERNA PRIMEIRA ACREDITADORES INMETRO UKAS ANSI-RAB CREDENCIAMENTO CERTIFICADORES FCAV BVQI CERTIFICAÇÃO ABS TERCEIRA PARTE INTERNA PRIMEIRA PARTE FORNECEDORES CLIENTE ORGANIZAÇÃO SEGUNDA PARTE

CERTIFICAÇÃO ISO 9000 n Reconhecimento formal da existência de um sistema de gestão da CERTIFICAÇÃO ISO 9000 n Reconhecimento formal da existência de um sistema de gestão da qualidade.

NBR ISO 19011: 2002 ISO 9000 Fundamentos e vocabulário ISO 9001 Requisitos ISO 9004 NBR ISO 19011: 2002 ISO 9000 Fundamentos e vocabulário ISO 9001 Requisitos ISO 9004 Diretrizes para melhoria e desempenho ISO 19011 Diretrizes para Auditorias de Sistema de Qualidade E Meio- Ambiente

CERTIFICAÇÃO ISO 9000 GESTÃO E GARANTIA DA QUALIDADE (ISO 9000: 2000) Satisfação dos clientes CERTIFICAÇÃO ISO 9000 GESTÃO E GARANTIA DA QUALIDADE (ISO 9000: 2000) Satisfação dos clientes Melhoria da eficácia do sistema

CERTIFICAÇÃO ISO 9000 2000 1994 n n n ISO 9001 ISO 9002 ISO 9003 CERTIFICAÇÃO ISO 9000 2000 1994 n n n ISO 9001 ISO 9002 ISO 9003 ISO 9004 ISO 9001: n Certificação ou fins contratuais n ISO 9004: n Ir além das exigências da ISO 9001 2008 Mudanças textuais Visando maior compreensão

SEÇÕES DA NORMA ISO 9000: 2000 SEÇÃO 4: Requisitos gerais e documentação n SEÇÃO SEÇÕES DA NORMA ISO 9000: 2000 SEÇÃO 4: Requisitos gerais e documentação n SEÇÃO 5: Responsabilidade da direção n SEÇÃO 6: Gestão de recursos n SEÇÃO 7: Realização do Produto n SEÇÃO 8: Medição, análise e melhoria n

4. SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE 4. 1 Exigências gerais n 4. 2 Exigências 4. SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE 4. 1 Exigências gerais n 4. 2 Exigências relativas a documentação n Documentos exigidos n Controle de documentos e registros n Aprovação e revisão Versão em vigor e disponibilidade Legíveis e identificáveis Tempo de retenção, conservação e eliminação

DOCUMENTAÇÃO DA QUALIDADE Manual da qualidade Procedimentos Instruções de trabalho Registros e normas DOCUMENTAÇÃO DA QUALIDADE Manual da qualidade Procedimentos Instruções de trabalho Registros e normas

Controle de documentos e registros Controle de documentos e registros

5. RESPONSABILIDADE DA DIREÇÃO n A importância em satisfazer Clientes n Aspectos regulamentares e 5. RESPONSABILIDADE DA DIREÇÃO n A importância em satisfazer Clientes n Aspectos regulamentares e legais n n Política e objetivos da qualidade n Recursos

5. RESPONSABILIDADE DA DIREÇÃO n Escutar o cliente n Representante da direção n Comunicação 5. RESPONSABILIDADE DA DIREÇÃO n Escutar o cliente n Representante da direção n Comunicação interna n Análise crítica

6. GESTÃO DE RECURSOS n Humanos n n Competências Treinamento com registro Avaliação da 6. GESTÃO DE RECURSOS n Humanos n n Competências Treinamento com registro Avaliação da eficácia Consciência e importância de suas atividades

6. GESTÃO DE RECURSOS n INFRA-ESTRUTURA n n n Instalações Equipamentos Serviços de suporte 6. GESTÃO DE RECURSOS n INFRA-ESTRUTURA n n n Instalações Equipamentos Serviços de suporte

6. 4. AMBIENTE DO TRABALHO n OK 6. 4. AMBIENTE DO TRABALHO n OK

7. Realização do produto 7. 1 PLANEJAMENTO 7. 2 PROCESSOS RELACIONADOS n n n 7. Realização do produto 7. 1 PLANEJAMENTO 7. 2 PROCESSOS RELACIONADOS n n n PROCESSOS RELATIVOS AOS CLIENTES ANALISE CRÍTICA COMUNICAÇÃO

7. REALIZAÇÃO DO PRODUTO n 7. 3 Concepção e desenvolvimento As entradas n As 7. REALIZAÇÃO DO PRODUTO n 7. 3 Concepção e desenvolvimento As entradas n As saídas n Análise crítica n Verificação e validação n Controle das modificações n

7. REALIZAÇÃO DO PRODUTO 7. 4. Compras Fornecedor : critérios de seleção e avaliação 7. REALIZAÇÃO DO PRODUTO 7. 4. Compras Fornecedor : critérios de seleção e avaliação Produto comprado: Exigências de aprovação e de inspeção.

7. 5. PRODUÇÃO E PREPARAÇÃO DO SERVIÇO n 7. 5. 1. Controle da produção 7. 5. PRODUÇÃO E PREPARAÇÃO DO SERVIÇO n 7. 5. 1. Controle da produção e da preparação do serviço. Características n Disponibilidade de instruções n Equipamentos e dispositivos de controle e medição apropriados n

7. 5. PRODUÇÃO E PREPARAÇÃO DO SERVIÇO n 7. 5. 2 VALIDAÇÃO DOS PROCESSOS 7. 5. PRODUÇÃO E PREPARAÇÃO DO SERVIÇO n 7. 5. 2 VALIDAÇÃO DOS PROCESSOS DE PRODUÇÃO E DE PREPARAÇÃO DO SERVIÇO n n n Critérios de análise crítica e aprovação do processo Equipamentos e qualificação do pessoal Métodos e procedimentos Registros Revalidação

7. 5. 3. IDENTIFICAÇÃO E RASTREABILIDADE 7. 5. 3. IDENTIFICAÇÃO E RASTREABILIDADE

7. 5. PRODUÇÃO E PREPARAÇÃO DO SERVIÇO n 7. 5. 4. Propriedade do cliente 7. 5. PRODUÇÃO E PREPARAÇÃO DO SERVIÇO n 7. 5. 4. Propriedade do cliente n 7. 5. 5. Preservação do produto

7. 6. CONTROLE DOS DISPOSITIVOS DE CONTROLE E DE MEDIÇAÕ n n Identificação e 7. 6. CONTROLE DOS DISPOSITIVOS DE CONTROLE E DE MEDIÇAÕ n n Identificação e registros das calibrações Proteção contra danos e deterioração

8. MEDIÇÕES, ANÁLISE E MELHORIAS n 8. 1. Demonstrar e assegurar a conformidade Melhorar 8. MEDIÇÕES, ANÁLISE E MELHORIAS n 8. 1. Demonstrar e assegurar a conformidade Melhorar a eficácia do sistema 8. 2. Controle e medidas 8. 2. 1. Satisfação do cliente 8. 2. 2. Auditoria interna Intervalos planejados Auditores independentes As ações devem ser verificadas

8. MEDIDAS, ANÁLISE E MELHORIAS 8. 2. 3. Auditoria e medição do processo Métodos 8. MEDIDAS, ANÁLISE E MELHORIAS 8. 2. 3. Auditoria e medição do processo Métodos apropriados A aptidão dos processos Resultados planejados

8. MEDIDAS, ANÁLISE E MELHORIAS 8. 2. 4 Controle e medida do produto 8. MEDIDAS, ANÁLISE E MELHORIAS 8. 2. 4 Controle e medida do produto

8. 5. CONTROLE DO PRODUTO NÃOCONFORME n n Ações de eliminação Liberação ou aceitação 8. 5. CONTROLE DO PRODUTO NÃOCONFORME n n Ações de eliminação Liberação ou aceitação por derrogação Impedir a sua utilização Registros

8. 4. ANÁLISE DOS DADOS n Satisfação dos clientes n Conformidade do produto n 8. 4. ANÁLISE DOS DADOS n Satisfação dos clientes n Conformidade do produto n Evolução do processo n Fornecedores

8. 5. MELHORIAS n 8. 5. 2 Ação corretiva n 8. 5. 3. Ação 8. 5. MELHORIAS n 8. 5. 2 Ação corretiva n 8. 5. 3. Ação preventiva

AUDITORIA Processo sistemático, documentado e independente, para obter evidências da auditoria e avaliá-las objetivamente AUDITORIA Processo sistemático, documentado e independente, para obter evidências da auditoria e avaliá-las objetivamente para determinar a extensão na qual os critérios de auditoria são atendidos. n

AÇÃO CORRETIVA AÇÃO CORRETIVA

Tipos : quem audita n Interna n n Primeira parte Externa Segunda parte n Tipos : quem audita n Interna n n Primeira parte Externa Segunda parte n Terceira parte n

AUDITORIA Processo sistemático, documentado e independente, para obter evidências da auditoria e avaliá-las objetivamente AUDITORIA Processo sistemático, documentado e independente, para obter evidências da auditoria e avaliá-las objetivamente para determinar a extensão na qual os critérios de auditoria são atendidos. n

Tipos: aplicação n Sistema n Processo n Produto Tipos: aplicação n Sistema n Processo n Produto

Tipos : quem audita n Interna n n Primeira parte Externa Segunda parte n Tipos : quem audita n Interna n n Primeira parte Externa Segunda parte n Terceira parte n

Tipos: aplicação n Sistema n Processo n Produto Tipos: aplicação n Sistema n Processo n Produto

EQUIPE n AUDITOR n ESPECIALISTA EQUIPE n AUDITOR n ESPECIALISTA

PRINCÍPIOS DE AUDITORIA CONDUTA ÉTICA n APRESENTAÇÃO JUSTA n PROFISSIONALISMO n INDEPENDÊNCIA n ABORDAGEM PRINCÍPIOS DE AUDITORIA CONDUTA ÉTICA n APRESENTAÇÃO JUSTA n PROFISSIONALISMO n INDEPENDÊNCIA n ABORDAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIA n

COMPETÊNCIA DOS AUDITORES n Conhecimentos e habilidade genéricas e específicas Educação n Experiência profissional COMPETÊNCIA DOS AUDITORES n Conhecimentos e habilidade genéricas e específicas Educação n Experiência profissional n Treinamento em auditoria n Experiência em auditoria n n Atributos Pessoais

Titulo da Aula Conteúdo da aula conteúdo da aula conteúdo da aula conteúdo da Titulo da Aula Conteúdo da aula conteúdo da aula conteúdo da aula conteúdo da aula.